OBRAS - Aterro Sanitário

Data:13/03/2006
Título:Aterro sanitário
Descrição: Tecnologia de ponta contribui para a preservação do meio ambiente no litoral do Vale do Itajaí. As obras do Aterro Sanitário Canhanduba estão separadas em quatro etapas e divididas em três fases, com um investimento de R$ 12 milhões da prefeitura de Itajaí, prefeitura de Balneário Camboriú e da Engepasa Ambiental Ltda. A conclusão da fase número um possibilita a operacionalização desta primeira etapa, que deve ser finalizada em seis anos. O projeto prevê que em um determinado momento estará sendo implantada uma fase, enquanto outra estará em operação e a terceira fase já estará concluída. No total cada etapa dura oito anos e segue as melhores técnicas de engenharia sanitária e ambiental. A Secretaria de Obras e Serviços Municipais de Itajaí coordena as obras do aterro realizadas pela empresa concessionária, que iniciaram em julho de 2005. A área total ocupada do novo aterro com 27,52 hectares (277.200 metros quadrados) é fiscalizada pela Fundação Municipal do Meio Ambiente de Itajaí (Famai). O bairro Canhanduba foi escolhido após a elaboração do Ei-Rima (Estudo de impacto ambiental e Relatório de impacto ambiental), que identificou o local como mais apropriado. A perspectiva da vida útil do aterro é de 23 anos, com um acréscimo de mais cinco anos devido à implantação da coleta seletiva do lixo em Itajaí. Descrição do aterro sanitário A base estrutural é um dos empreendimentos mais caros do projeto. Primeiro é usado o solo natural que na região é de baixa permeabilidade, excelente para o processo. Depois é colocado meio metro de argila compactada, em seguida um material chamado de geomembrana de poliotileno de alta densidade, que impermeabiliza toda a área. Após o Geotextil de proteção é usado para impedir qualquer dano mecânico da geomembrana. Na camada posterior formada por uma brita muito fina, menor que a brita zero está inserido o dreno de chorume e só depois é disposto o resíduo que é compactado. O Chorume é captado através de drenos e conduzido até a planta de tratamento, onde é monitorado continuamente, de modo que a eficiência do tratamento permita seu lançamento em curso hídrico superficial, atendendo o disposto na legislação ambiental vigente. O chorume (líquido percolado) é proveniente da decomposição da matéria orgânica presente na massa de resíduos sólidos, sob a ação da água que se precipitam sobre a mesma. O sistema de tratamento dos líquidos percolados é composto pelas unidades de: Tratamento Físico-Químico, duas Lagoas Anaeróbias, uma Lagoa Aerada e Calha de Desinfecção por Radiação Ultra-Violeta, que promove a desinfecção do líquido tratado sem a necessidade de adição de produtos químicos. O efluente final, após ser tratado, será bombeado até uma distância de 6.500 metros, objetivando a preservação das condições da qualidade dos recursos hídricos da região do Rio do Meio e da Canahanduba. O novo aterro sanitário possuirá 10 (dez) Poços de Monitoramento distribuídos em suas extremidades, sendo 02 a montante e 08 a jusante do maciço de resíduos, onde serão realizadas análises químicas, físico-químicas e bacteriológicas periódicas, com objetivo de prevenir qualquer dano ao lençol de águas subterrâneas. No aterro as máquinas fazem o trabalho de compactação, drenando e realizando a cobertura dos resíduos com argila, para manter o lixo selado e inacessível a possíveis vetores de doenças. O gás gerado no aterro é composto basicamente por metano (CH4). Ele é drenado, através de um sistema de tubos que atravessa o maciço e vai até a superfície do aterro. No topo dos drenos de gás verticais se dá sua exaustão e queima, transformando-o em gás carbônico e vapor de água. O gás metano em contato com o oxigênio se transforma em vapor d’água e gás carbônico. Segundo o engenheiro da Engepasa, Mário Pegoraro, que coordena o processo de implantação, o gás carbônico gerado pela queima do metano é cerca de 20 vezes menos poluente que o gás metano liberado livremente na atmosfera, diminuindo a formação do denominado efeito estufa. O destaque do novo Aterro Sanitário Canhanduba é o tratamento dos resíduos sólidos de serviços de saúde que utiliza o equipamento denominado autoclave. É um sistema que alterna pulso de alto vácuo e alta temperatura para esterilização deste tipo de resíduo. Após ser esterilizado, ele é descartado como resíduo doméstico. O local também vai dispor de um auditório, que possibilitará a mostra de filmes e slides sobre Educação Ambiental para escolas, universidades e a população.
Foto:Aterro sanitário
  

CTIMA

Prefeitura Municipal de Itajaí